Manuel Belgrano Feiten


A figura política argentina e o general revolucionário Manuel Belgrano (1770-1820) é considerado um dos fundadores da República Argentina. Embora ele nem sempre tenha prevalecido, seus esforços salvaram a causa patriótica em vários momentos cruciais.<

Manuel Belgrano nasceu em 3 de junho de 1770 em Buenos Aires em uma família rica e proeminente criollo (crioulo). Ele estudou na Espanha na Universidade de Salamanca em 1786 e em Valladolid, onde se formou em Direito em 1793. Durante sua estada na Espanha, ele estudou idiomas e economia e conheceu as idéias de iluminados autores franceses e espanhóis.

Quando Charles IV chamou o secretário do recém-organizado Consulado de Buenos Aires Belgrano, ele aceitou com entusiasmo. No Consulado ele pediu algumas reformas: insistiu na abertura de novas instituições educacionais e pediu uma legislação para promover o desenvolvimento da agricultura, do comércio e da comunicação. A maioria de suas propostas foram consideradas muito caras ou uma ameaça aos privilégios dos espanhóis e foram vetadas. Desiludido com os espanhóis, ele estava convencido de que não se podia esperar reformas progressivas deles.

Quando os ingleses invadiram Buenos Aires em 1806, Belgrano, um capitão honorário, estava no comando das tropas, apesar de não ter experiência militar. Mas ele foi fundamental na organização das tropas que mais tarde expulsaram os invasores. Belgrano e outros têm assim uma noção de sua própria importância e poder.

A partir de 1807, Belgrano tornou-se cada vez mais crítico do sistema espanhol e encontrou outros que concordavam com ele. Uma sociedade secreta de revolucionários foi organizada com Belgrano como membro. Seu comentário mordaz sobre o espanhol

As receitas foram distribuídas através do Correo de comercio, um jornal que ele ajudou a encontrar em março de 1810. Em abril ele se demitiu do Consulado e alegou doença. Mas em maio, quando chegou a Buenos Aires a notícia de que a junta espanhola fundada em 1808 havia sido dissolvida, Belgrano e seus compatriotas logo defenderam a criação de uma junta local. Em 25 de maio de 1810, quando a junta foi organizada, Belgrano foi eleito membro.

Guerra da Independência

tinham ainda menos experiência, ele foi nomeado general e ordenado a montar um exército. Em setembro de 1810, o exército mal equipado e mal treinado fez uma viagem sem sucesso ao Paraguai. Belgrano foi culpado pelo desastre, mas após uma investigação ele foi absolvido em agosto de 1811.

Belgrano, novamente em desgraça, foi enviado em missão diplomática à Europa para assegurar o reconhecimento britânico para o governo de Buenos Aires e para encontrar um monarca. Ele retornou em fevereiro de 1816, sem sucesso na obtenção de nenhum dos dois. De volta a favor, ele retomou sua carreira militar. No Congresso de Tucumán, Belgrano foi um defensor declarado de uma declaração de independência e do estabelecimento de uma monarquia com um descendente do Inca no trono. Reapresentou seu antigo comandante como chefe do exército do Norte, pelos próximos 3 anos ele lutou não apenas contra os regulares espanhóis, mas também contra os exércitos de caudilhos provinciais. Devido às constantes viagens e campanhas, ele ficou exausto. Ele retornou a Buenos Aires em março de 1820 e morreu em 20 de junho.

Continuar lendo em Manuel Belgrano

O trabalho clássico sobre Belgrano permanece Bartolomé Mitre, História de Belgrano (sem data). Ricardo Levene, Uma história da Argentina,traduzido e adaptado por William Spence Robertson (1937), fornece uma visão geral da era revolucionária. Belgrano também é discutido em F.A. Kirkpatrick, A História da República Argentina (1931), e Ricardo Rojas, San Martín, Cavaleiro dos Andes (trans. 1945).


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!