Livia Facts


Livia (58 a.C.-29 d.C.) foi uma influente consorte de Augusto, arquiteto do Império Romano, que foi retratado na propaganda imperial como a encarnação da feminilidade e dedicação, enquanto seus inimigos acreditavam que ela era uma implacável buscadora de poder.

Como amante do mundo romano, a vida privada de Lívia era vivida em público. Agindo como um exemplo moral da ideologia imperial de seu marido, ela serviu a Augusto como ajudante, caixa de ressonância, transmissora de mensagens fora do registro e como mãe adotiva para seus netos e bisnetos. Ela também garantiu com sucesso o trono para seu próprio filho por um casamento anterior.

Em ambos os lados de sua família, Lívia era descendente de senadores romanos. Seu pai Marcus Livius Drususus Claudianus era, como seu nome mostra, um membro da família Claudian que foi adotado por Livians. Tal adoção de um herdeiro masculino adulto, ou quase adulto, em uma linhagem que não existia era bastante comum em Roma. A adoção também serviu como um vínculo político entre duas famílias poderosas.

A vida precoce da Livia presumivelmente se assemelhava à conduzida pela maioria das meninas nos círculos de elite política e econômica

do Império. Muitos deles conheciam a retórica e a filosofia, em vez de se restringirem aos rudimentos da alfabetização. Mais tarde, alguns tinham interesses literários, ou, pelo menos, aderiram à vanguarda cultural da sociedade romana. Mas qualquer que fosse a educação que tivesse sido proporcionada a Lívia, ela não demonstrou mais tarde interesse em se envolver com uma multidão intelectual ou artística enérgica. Isso ajudou a salvaguardar sua reputação tanto pela castidade quanto pelo tradicionalismo romano e fez dela um contraste marcante com mulheres como a neta de Augusto Julia.

O casamento de Livia com Tibério Cláudio aos 15 anos era típico das mulheres romanas. O casamento com um primo também não era raro. Neste caso era ainda mais esperado, pois o casamento de uma Lívia com um Cláudio cimentava ainda mais a relação entre ambas as famílias. Ciente da política de casamento arranjado desde cedo, Lívia colocaria mais tarde este conhecimento em bom uso no posicionamento de seus filhos dentro da nova família real.

A jovem Lívia tinha começado sua vida como matriarca romana da maneira mais convencional, mas a guerra civil que já havia começado com a morte de Júlio César jogou tudo fora do forno. Após a batalha de Filipos, seu pai, que havia lutado pela República contra o Segundo Triunvirato (Lepidus, Marco Antônio e Octávio), suicidou-se em vez de sofrer a indignidade da fuga. Mas Lívia, junto com seu filho Tibério e seu marido, que também haviam lutado na batalha, eram fugitivos. Em seu vôo para se juntar às forças de Sextus Pompey na Sicília, eles foram quase capturados em duas ocasiões quando a criança começou a chorar e quase traiu sua presença. Deve ter sido aterrador para Lívia aos 16 anos de idade estar correndo por sua vida e ter seu filho

filho duas vezes arrancado dela e enfiado onde seus gritos não puderam ser ouvidos.

Sanece desconhecido se Livia ficou ou não surpreendida ao encontrar seu marido menos dedicado à sobrevivência das forças republicanas do que ao seu próprio avanço. Depois que Sextus Pompeu se recusou a dar-lhe a posição que ele queria, a família se propôs a se juntar ao triunvirato Marco Antônio, quando as hostilidades entre os membros do Segundo Triunvirato eclodiram. Essa jornada também foi traumática para Lívia. Com seu filho menor e alguns poucos acompanhantes, ela foi quase morta em um incêndio florestal em Esparta. Ela quase não escapou com um manto ardente e cabelo chamuscado.

Em 39 a.C., os triunvirs chegaram a um acordo entre si, e a família de Lívia retornou à Itália sob uma anistia geral. Lá ela conheceu o triumvir Octávio. Não sabemos o que Lívia pensou dele, mas ele ficou imediatamente apaixonado por ela. Superando seus escrúpulos conservadores, o mais velho Tibério Cláudio deu um tradicional banquete de casamento para celebrar o casamento de sua recém divorciada esposa—que estava grávida de seis meses de seu segundo filho—com Octávio. Octávio, que não estava disposto a esperar que ela desse à luz, procurou uma opinião sacerdotal de que Lívia poderia voltar a se casar enquanto estivesse visivelmente grávida. O incidente prefigurou o posterior governo agostiniano, que pareceu adiar a decência e as restrições da tradição enquanto realizava o que Augusto (Octávio) queria.

Ouvimos falar pouco de Lívia durante os anos seguintes, mas seu ex-marido morreu em 33 a.C., presumivelmente desapontado, pois não tinha recebido nenhum avanço político ou militar rápido. O jovem Tibério, agora com nove anos, fez a oração fúnebre de seu pai. As tradicionais orações fúnebres celebravam a carreira política e os objetivos do falecido. Como a guerra entre Antônio, no Mediterrâneo oriental, e Otávio, no ocidente, se aproximava, deve ter sido óbvio que o vencedor iria desmantelar a velha República permanentemente. Foi presumivelmente um discurso curto e cuidadosamente redigido. Nesse mesmo ano, Tibério foi noivo de Vipsânia, filha do amigo íntimo de Otávio e assistente de Agripa, que provavelmente era ainda mais jovem do que ele. Alguns viram a mão de Lívia trabalhando lá, fortalecendo os laços de seu filho com seu padrasto e posicionando-o para a assunção do poder.

Dadas as circunstâncias de seu novo casamento, a tensão entre Lívia e seu filho era inevitável, e a relação entre Octávio e Tibério era, na melhor das hipóteses, otimista. Otávio e Lívia tiveram um casamento feliz, e o filho mais novo de Lívia, Druso, aparentemente se deu bem com seu padrasto, mas Tibério não o fez. Nos anos 20 a.C., Octávio (agora o imperador Augusto) alegou estar restaurando os velhos costumes da República, embora ele estivesse realmente reunindo os elementos de um novo estado. Como Tibério foi educado na política e na história romana, ele deve ter sentido uma preocupação crescente com a discrepância entre o que Augusto afirmava estar fazendo e sua real concentração de poder em suas próprias mãos.

Não obstante, Lívia conseguiu se dedicar de todo o coração tanto a Augusto como a Tibério. A necessidade de Augusto de que os membros masculinos da família representassem a dinastia nas províncias permitiu que ela servisse os interesses de seu marido, filho e Império de uma só vez. Em 20 a.C., Tibério foi enviado para lidar com uma crise armênia e lidou com ela de forma credível.

Ao retornar, ele foi casado com Vipsânia, e o segundo filho de Lívia, Druso, foi colocado no caminho de sua carreira política. No entanto, o ano terminou com uma nota frustrante para Lívia e Tibério quando Júlia, filha de Augusto por um casamento anterior, deu à luz o primeiro de seus três filhos, Gaio. Lúcio seguiu em 17 a.C. Tibério só podia esperar ser usado no ínterim, até que os netos do sangue do imperador tivessem idade suficiente para assumir.

Mas os eventos de 12 a.C. aparentemente prevêem sucesso político para Lívia e Tibério. Agripa morreu, deixando Tibério, aos 29 anos, o único homem adulto dentro ou próximo da família a quem Augusto poderia confiar tarefas potencialmente sensíveis. Com o problema de pacificar as tribos na bacia do Danúbio, Tiberius lidou bem com a situação. Lívia pelo menos concordou com—e talvez até se entusiasmou com—o próximo plano de Augusto para Tibério. Forçado a se divorciar de sua amada Vipsânia, com quem ele havia tido um casamento tranquilo, Tibério foi obrigado a se casar com a filha de Augusto, Julia, viúva de Agripa. Aos quase 50 anos, Lívia teve que enfrentar o fato de que ela e Augusto não poderiam ter filhos juntos. Os filhos de Tibério e Júlia teriam sido a próxima melhor coisa. Então, em 9 a.C., Tibério, assim como Lívia, sentiu profundamente a perda de Druso, que morreu em uma queda de seu cavalo.

A crise familiar chegou em 5 a.C. Tibério, que havia servido a Augusto e Roma lealmente a algum custo pessoal, ficou angustiado ao testemunhar o afeto popular pelos dois jovens netos atraentes, bem como um clamor nas ruas pedindo que lhes fosse permitido ocupar cargos políticos em idade ilegalmente precoce. Nunca tendo despertado tanto entusiasmo popular, Tiberius sentiu agora rejeição. Ele entendeu que uma missão na Armênia era um esforço para tirá-lo de Roma e consolidar a opinião por trás de Gaio e Lúcio, e talvez tenha sido. Apesar de sua mãe ter apelado para que ele se rendesse, Tibério se recusou a trabalhar mais para o regime. Infundido, Augusto concordou em deixá-lo ir a Rodes para estudos de pós-graduação em filosofia, mas Lívia percebeu, como Tibério não o fez, quão precária era sua posição. Um bom general ou era leal ao imperador ou estava morto. Em 1 a.C., talvez a pedido de sua mãe, Tibério perguntou a Augusto se ele poderia retornar a Roma, mas a resposta de Augusto foi hostil. Desesperadamente temeroso por seu filho, Lívia conseguiu uma nomeação para Tibúrio como embaixador em Rodes para mascarar do público seu completo afastamento de seu padrasto imperial. Quando Caio, neto mais velho de Augusto e herdeiro aparente, começou a especular abertamente sobre o destino de Tibério, Lívia se tornou frenética. Augusto, dado a deixar que Lívia se metesse em quase tudo, traçou a linha. Ele disse que cabia a Gaio deixar Tibério voltar. Finalmente, em 2 d.C., ele o fez, mas Tibério foi ordenado, como condição, a se retirar da vida política.

Até aquele ano, o neto mais novo, Lucius, morreu; Gaius morreu dois anos depois. Nessa época, Tibério e Augusto já se odiavam, mas nenhum dos dois tinha escolha. Augusto era muito velho e frágil para assumir ele mesmo os comandos ativos do campo; seu bisneto Germanicus era muito jovem. O filho mais novo de Júlia era um delinqüente juvenil. Tibério podia ou servir ao imperador ou quebrar o coração de sua mãe e enfrentar a execução. O comentário de Suzanne Dixon de que “a família real às vezes exagerava sua união para fins de propaganda”, parece um tremendo eufemismo.

As fofocas romanas extravagantes e os romances populares modernos sugeriram que Lívia engendrou a morte de Gaio e Lúcio, um no extremo ocidental do Mediterrâneo e o outro no oriental, mas isto parece altamente improvável. Nem é provável que ela pudesse estar eliminando todos os atuais e futuros herdeiros do imperador, com exceção de seu próprio filho, e ainda tenha retido o afeto de Augusto, um homem sutil e inteligente. Suetônio nos diz que Calígula mais tarde lembrou sua bisavó como um “Ulisses de saias”, aludindo ao herói homérico conhecido por sua astúcia e não por seu uso de armas, mas o demente Calígula também acreditava que seu cavalo poderia ser um cônsul de Roma. Dadas suas fantasias paranóicas, há poucos motivos para aceitar esta crença particular de que Lívia estava se entregando à caveira de todo o Mediterrâneo.

Certo Augusto chegou a respeitar a devoção de Lívia a seus amigos e sua propensão para as manobras políticas. Suetonius é nossa fonte para os mexericos que ela realmente ajudou a conseguir para Augusto as mulheres mais jovens que ele queria. Os cônjuges romanos de ambos os sexos eram freqüentemente conhecidos por serem tolerantes a aventuras extraconjugais ainda mais exóticas, e isso não é impossível. O que é certo é que sua união conjugal permaneceu sólida. Como diz Suetonius, “Lívia permaneceu a única mulher que ele realmente amou até sua morte”. Talvez ela fosse a única pessoa, além de si mesma, a quem Augusto havia realmente valorizado; suas últimas palavras para ela seriam: “Esteja atento ao nosso casamento”

Não há dúvida de que durante a doença final de Augusto, em 14 d.C., Lívia tinha os olhos postos no futuro. Ela deu a ordem de selar a casa e cercar as ruas com soldados, ostensivamente para não perturbar o moribundo, mas certamente para assegurar o controle para si e seu filho e para impedir que alguém contestasse sua versão de seus desejos. Ela também foi suspeita, junto com Tibério, de ordenar a execução do neto no exílio, o jovem Agripa Postumus. Talvez ela o tenha feito; certamente teria sido a coisa mais sábia a fazer para evitar que ele fosse usado como peão por outras partes. Ela era até suspeita de ter apressado o fim de Augusto uma vez que ele se tornara perigosamente incapacitado. É mais provável que a dependência amorosa de Augusto dela durante sua fraqueza final o tenha levado a acatar seus desejos de todo o coração. Como comentou Tacitus, “Lívia tinha o velho Augusto firmemente sob controle”. Nunca foi muito claro exatamente quando Augusto morreu. Lívia não permitiu um anúncio até que Tibério estivesse no local e no comando da Guarda Pretoriana.

Se Lívia se consolou em sua viuvez com o pensamento de que havia apenas uma vela suave pela frente, ela deve ter ficado chocada com a conduta subseqüente de Tiberius. Ele havia ficado decepcionado demais para aceitar com prazer a responsabilidade de governar. Ele ainda escondia os sentimentos republicanos de Claudian que não gostava de trair. Aos 56 anos, ele também não desejava parecer ter sido ordenado por sua mãe. Lívia havia recebido honras públicas sem precedentes de Augusto: ele havia dedicado um edifício em sua honra, e ela havia sido autorizada a restaurar um templo. As moedas nas províncias a proclamaram a mãe de seu país e até mesmo do

mundo. Ela tinha recebido um status anteriormente reservado às virgens vestais. A vontade de Augusto a adotou postumamente no clã Juliano, permitindo que ela usasse o nome Julia Augusta. Tibério parou a enchente de honrarias.

Genuinamente contra, segundo os romanos, os tipos de honras anteriormente associadas aos potentados helenistas do Mediterrâneo oriental, ele impediu o senado romano de proclamar sua mãe do país e se recusou a deixá-los erguer um altar para sua adoção ou designar seus assistentes especiais. Ainda assim, o aparente rancor em algumas das cenas do senado narradas por Tácito também se originou de uma relutância em ser lembrado de que seus próprios bons serviços não lhe haviam assegurado o trono; a esperteza de sua mãe o tinha. Ele foi particularmente picado por um movimento senatorial para acrescentar “filho de Lívia” à sua própria nomenclatura.

Até agora, a influência de Lívia muitas vezes contava com Tibério em tempos de discórdia. Ela foi capaz de persuadi-lo a mostrar clemência ao seu amigo Plancina, acusado de conspirar para assassinar o bisneto de Augusto Germanicus. Em outro caso, Tácito nos diz que Tibério não queria negar sua mãe, então ele prometeu comparecer ao tribunal para defender um amigo dela, depois deu uma caminhada muito lenta até o tribunal e chegou tarde demais. Surpreendentemente, Tácito, que tem uma visão muito fraca de Tibério, acha isto uma manobra inteligente e relata que a população romana também pensava assim. Deve ter havido um consenso contemporâneo de que simplesmente dizer não a Lívia não era para ser contemplado.

Suetonius afirma que “Tibério então reclamou que sua mãe Lívia o irritou por querer ser co-regente do Império”, e por isso ele a evitou. “Apesar de ocasionalmente precisar e seguir o conselho de Lívia, ele não gostava que as pessoas pensassem nele como se estivesse levando isso a sério”. Ele ficou especialmente irritado quando uma chama irrompeu perto do templo de Vesta, e ela se encarregou do controle da multidão e do combate a incêndios, “dirigindo pessoalmente a população e o soldado, como se Augusto ainda estivesse vivo”

Uma vinheta em Suetonius é particularmente reveladora. Tiberius e Lívia começaram a discutir abertamente sobre um homem cujo nome ela queria registrar entre os de jurados potenciais. “Tibério concordou em fazê-lo com uma condição— que a entrada fosse marcada ‘forçada ao imperador por sua mãe'”. A resposta de Lívia foi a de tirar algumas das cartas de Augusto para ela que descreviam o caráter “azedo e teimoso” de Tibério. Seu objetivo era, presumivelmente, lembrar a Tibério que ele não havia conseguido a adoção como sucessor de Augusto. Ela tinha garantido isso para ele.

Supostamente esse incidente inspirou sua aposentadoria parcial a Capri e sua delegação do governo ao vicioso Sejano, o que levou por sua vez à trama do Sejano, sua descoberta e o subseqüente “reinado de terror” que matou tantos senadores. Entre as conseqüências do confronto sobre as cartas, segundo Suetonius, foi que Tibério visitou Lívia apenas uma vez nos últimos três anos de sua vida e não visitou nada durante sua última doença prolongada aos 86 anos de idade. Ele não compareceu ao seu funeral nem testou seu testamento. Ele vetou a deificação dela, que foi realizada por um imperador posterior, Cláudio, um neto deficiente pelo qual ela tinha pouca consideração.

Livia tinha, no entanto, assegurado uma transição pacífica entre o primeiro e o segundo imperadores, nenhum feito mesquinho já que não havia precedentes, nenhuma orientação legal, e muitos outros reclamantes. É bem possível que sem as grandes realizações de Augusto, incluindo a pax romana, a própria paz romana, poderia ter se perdido em outra rodada do tipo de guerra civil que havia assolado a República no século anterior.

Leitura adicional sobre Livia

Dio Cassius. Dio História Romana. Vols. 6 & 7. Imprensa da Universidade de Harvard, 1960.

Suetonius. Os Doze Césares.Pinguim, 1957.

Tacitus. The Annals of Imperial Rome. Penguin, 1989.

Balsdon, J. V. P. D. Roman Women. Barnes and Noble, 1983.

Dixon, Suzanne. A Mãe Romana.Prensa Universitária de Oklahoma, 1988.

Hallett, Judith P. Pais e Filhas na Sociedade Romana.Prensa Universitária Princeton, 1984.

Levick, Barbara. Tiberius the Politician. Thames & Hudson, 1976.

Seager, Robin. Tiberius. University of California Press, 1972.


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!