Johann Gutenberg Facts


O inventor e impressor alemão Johann Gutenberg (ca. 1398-1468) foi o inventor da impressão mecânica do tipo móvel na Europa.<

Johann Gutenberg nasceu Johann Gensfleisch zur Laden, em Mainz. Ele era o terceiro filho de Freile zum Gensfleisch e sua segunda esposa, Else Wirick zum Gutenberg, cujo nome Johann adotou. Nada se sabe sobre os estudos ou aprendizagem de Gutenberg, exceto que ele aprendeu o ofício de ourives enquanto vivia em Mainz. Por volta de 1428, sua família foi exilada como resultado de uma revolta dos artesãos contra a classe nobre que governava a cidade, e em 1430 Gutenberg se estabeleceu em Strassburg, onde permaneceu até 1444,

Os experimentos de impressão do Gutenberg começaram durante seus anos em Strassburg. Ele já estava familiarizado com as técnicas de xilografia, o processo usado para fazer livros e outros impressos na Europa desde o século 14, e no Extremo Oriente muito antes. Depois veio a transição da xilogravura para a tipografia, infinitamente mais prática para a impressão de textos, uma vez que, em vez de reprodução por meio de escultura em madeira, um pequeno bloco separado (tipo) era usado para cada signo ou personagem. A idéia de tipo móvel pode ter ocorrido a muitas pessoas independentemente; Gutenberg pode ter trabalhado neste campo cerca de 1436.

Negócios de Impressão

Não há registro do paradeiro de Gutenberg depois de 1444, mas ele aparece novamente em Mainz de acordo com um documento datado de outubro de 1448. Em 1450, ele é conhecido por ter tido uma gráfica, para a qual pediu 800 florins emprestados ao rico financiador Johann Fust para que ele pudesse fabricar certas ferramentas e equipamentos. Em dezembro de 1452, Gutenberg teve que pagar sua dívida. Não podendo fazê-lo, ele e Fust concluíram um novo acordo, sob o qual Gutenberg recebeu outro empréstimo semelhante e o financiador tornou-se sócio da empresa. Naquela época, Gutenberg já imprimiu o tipo móvel, tornando assim a idéia concebida em Strassburg uma realidade em Mainz. Um assistente muito valioso de Gutenberg foi seu jovem funcionário e discípulo Peter Schoeffer, que ingressou na empresa em 1452. Apesar de seus sucessos, a relação entre Gutenberg e Fust

tomou um mau rumo, Fust processou Gutenberg por 2.000 florins, e em 1455 a sociedade foi dissolvida. Fust ganhou a ação judicial e assim adquiriu os materiais e ferramentas de Gutenberg e entrou em parceria com Schoeffer.

Proveniência de obras impressas deste período é, portanto, difícil, especialmente porque não há obras impressas sobrevivendo com o nome de Gutenberg nelas. Daquele período data a monumental e extremamente bela Bíblia de 42 Linhas, também chamada Bíblia de Gutenberg e Bíblia de Mazarin, uma obra em grande fólio que é a coroação de muitos anos de colaboração da equipe de Gutenberg-Fust-Schoeffer. Entretanto, quando as primeiras cópias acabadas foram entregues no início de 1456, Gutenberg, sem dúvida o principal criador da obra, não pertencia mais à parceria. Fust continuou imprimindo com sucesso com o equipamento de Gutenberg e também com maquinário melhorado por Schoeffer. Entretanto, Gutenberg, nada favorecido pela sorte em seus diversos empreendimentos, teve que recomeçar tudo de novo. Acredita-se que o fruto de seu trabalho nestes anos é a Bíblia de 36 Linhas e a famosa Catholicon, uma espécie de enciclopédia. Novamente, como Gutenberg nunca colocou seu nome em nenhuma de suas obras, todas as ascrições são hipotéticas.

Anos mais recentes

Em 1462 Mainz foi saqueado pelas tropas de Adolph II. A gráfica de Fust foi incendiada e Gutenberg também sofreu perdas, o mesmo que outros artesãos. Em conseqüência deste desastre, muitos tipógrafos deixaram Mainz, e através de sua dispersão também espalharam seu know-how até agora tão ciosamente protegido. Gutenberg permaneceu em Mainz, mas foi novamente reduzido à pobreza, e solicitou ao tribunal arquiepiscopal uma sinecura, que obteve em 17 de janeiro de 1465, incluindo salário e privilégios “por serviços prestados … e a serem prestados no futuro”. O cargo de Gutenberg no tribunal lhe permitiu algum alívio econômico, mas mesmo assim ele prosseguiu com suas atividades de impressão. Os trabalhos deste último período de sua vida são desconhecidos devido à falta de identificação.

Reporadamente, Gutenberg ficou cego nos últimos meses de sua vida, vivendo em parte em Mainz e em parte na aldeia vizinha de Eltville. Ele morreu na paróquia de St. Victor em Mainz em 3 de fevereiro de 1468, e foi enterrado na igreja do convento franciscano naquela cidade. Sua aparência física é desconhecida, embora haja muitas representações imaginárias de seu rosto e figura, incluindo estátuas erguidas em Mainz e Strassburg. Em 1900 o Museu Gutenberg foi fundado em Mainz com uma biblioteca anexa a ele, à qual foram confiados todos os objetos e documentos relacionados com a invenção da tipografia.

Leitura adicional sobre Johann Gutenberg

The Gutenberg Documents, traduzido por Douglas C. McMurtrie (1941). Há muitas biografias de Gutenberg, mas a maioria delas contém imprecisões. As que são confiáveis incluem Laurence E. Tomlinson, Gutenberg and the Invention of Printing (1938); Pierce Butler, The Origin of Printing in Europe (1940), que é talvez excessivamente crítico; e Victor Scholderer, Johann Gutenberg:The Inventor of Printing (1963), provavelmente a mais precisa. Douglas C. McMurtrie, The Invention of Printing:A Bibliography (1942), é um guia para a literatura sobre Gutenberg e sobre impressão.


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!