Johann Friedrich Herbart Facts


Johann Friedrich Herbart (1776-1841) foi um filósofo e educador de Ger homem, conhecido por suas contribuições ao lançar as bases do estudo científico da educação.

Johann Friedrich Herbart nasceu em 4 de maio de 1776, em Oldenburg, o filho do conselheiro estadual de Oldenburg. Ele freqüentou a Universidade de Jena (1794-1799). Enquanto lá estudava com Johann Gottlieb Fichte e conheceu Friedrich von Schiller. Ao se formar, Herbart foi para Interlaken, Suíça, onde serviu como tutor para os três filhos do governador. Na Suíça, ele conheceu Johann Pestalozzi e visitou sua escola em Burgdorf.

Herbart ensinou filosofia e pedagogia em Göttingen (1802-1809). Ele começou a buscar uma base filosófica sólida sobre a qual descansar suas teorias educacionais. Seus principais trabalhos durante este período incluem ABC’s de Observação (1804), The Moral or Ethical Revelation of the World: O Objetivo Principal da Educação (1804), Pedagogia Geral (seu principal trabalho educacional, 1806), Chief Points of Logic (1806), Chief Points of Metaphysics (1806), e Filosofia Prática Geral (1808).

Em 1809 Herbart aceitou a cadeira de filosofia na Universidade de Königsberg. Ele conheceu Wilhelm von Humboldt, o comissário prussiano de educação, e a seu pedido serviu na comissão de educação superior. Herbart, um crente em escolas normais e na formação de professores, patrocinou o estabelecimento de uma escola e prática pedagógica (laboratório) em Königsberg, em 1810. Ele então casou-se com Mary Drake, uma menina inglesa.

Herbart escreveu Sistema de Psicologia (1814), Livro texto de Psicologia (1816), Psicologia como Ciência (1825), e um trabalho de dois volumes, Metafísica Geral (1829). Seu trabalho o lançou como um pensador liberal em muitas mentes, e isto não se enquadrava bem no tom reacionário, ganhando então um avanço na Prússia. Isso lhe custou uma nomeação para a cadeira vaga de filosofia de Hegel na Universidade de Berlim em 1831. Insatisfeito com

a forma como as coisas estavam progredindo na Prússia, Herbart retornou a Göttingen em 1833. Ele lecionou na universidade e publicou Outline of Pedagogical Lectures (1835). Ele morreu em 11 de agosto de 1841.

Filosofia da Educação

A influência de Herbart na teoria educacional é muito importante, mesmo no momento atual. Ele não apenas desenvolveu uma fundamentação filosófico-psicológica para o ensino, mas também um método de ensino. Herbart acreditava que a mente era a soma total de todas as idéias que entravam na vida consciente de alguém. Ele enfatizou a importância tanto do ambiente físico quanto do ambiente humano no desenvolvimento da mente. Para Herbart, as idéias eram centrais para o processo. Ele sentiu que elas se agrupavam no que ele chamava de “massas aperceptivas”. Por assimilação (ou apercepção) novas idéias podiam entrar na mente através da associação com idéias semelhantes já presentes. Este era o processo de aprendizagem.

O método de instrução de Herbart foi identificado por seus alunos como envolvendo os “Cinco Passos Formais da Recitação”. Estes são a preparação, apresentação, associação, generalização e aplicação. Herbart foi mais longe para enfatizar que através da correta correlação de matérias (materiais curriculares) o aluno chegaria a compreender a unidade total do que é o mundo.

Na Alemanha, Leipzig e Jena tornaram-se centros de Herbartianismo. Foi por influência dos americanos que estudaram na Jena que as idéias de Herbart chegaram aos Estados Unidos (ca. 1890). Os defensores formaram a Sociedade Nacional Herbartiana em 1892 (hoje Sociedade Nacional para o Estudo da Educação). Seu objetivo era promover as idéias de Herbart, pois elas poderiam se relacionar com as necessidades dos Estados Unidos. A principal crítica que tem sido feita aos Herbártianos é a extrema formalidade na qual eles deixaram cair o método instrucional de Herbart.

Leitura adicional sobre Johann Friedrich Herbart

Charles De Garmo, Herbart e os Herbartianos (1895), é um estudo antigo mas que vale a pena. A aplicação da psicologia Herbartiana ao processo instrucional é abordada em John Adams, The Herbartian Psychology (1899), e em Gabriel Compayre, Herbart e Educação por Instrução, traduzido por M. E. Findlay (1906; trans. 1907). Para relatos modernos da influência de Herbart, consulte fontes como James Mulhern, História da Educação (1946; 2d ed. 1959); John S. Brubacher, Uma História dos Problemas da Educação (1947; 2d ed. 1966); e Harold B. Dunkel, Herbart e Herbartianismo: Uma História de Fantasmas Educacionais (1970).

Cole, Percival Richard, Herbart e Froebel: uma tentativa de síntese, New York, AMS Press, 1972.

De Garmo, Charles, Herbart and the Herbartians, Folcroft, Pa.: Folcroft Library Editions, 1979.

Dunkel, Harold Baker, Herbart & educação,Nova York, Random House 1969.

Dunkel, Harold Baker, Herbart e Herbartianismo; uma história de fantasmas educacionais, Chicago, University of Chicago Press 1970.

MacVannel, John Angus, As teorias educacionais de Herbart e Froebe, New York, AMS Press, 1972.

McMurry, Dorothy, Contribuições herbárias para o ensino da história na escola primária americana, Nova York, AMS Press, 1972.

Mossman, Lois (Coffey), Mudanças de concepção relativas ao planejamento da lição, Nova York, AMS Press, 1972.


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!