George Crabbe Facts


O poeta inglês George Crabbe (1754-1832) é notado por seu realismo pouco sentimental ao retratar pessoas e eventos e sua precisão ao descrever a natureza visível.

George Crabbe nasceu em 24 de dezembro de 1754, em Aldeburgh, uma pobre vila de pescadores em Suffolk. Seu pai, parte dono de um barco de pesca e um mestre da alfândega, tinha tido alguma educação. Portanto, quando George provou não ter nenhuma promessa como marinheiro, seu pai o enviou para escolas no Bungay and Stow Market.

Em 1768, Crabbe foi aprendiz de cirurgião. Mas este mestre pouco lhe ensinou, e em 1771 ele mudou de mestre e se mudou para Woodbridge. Lá ele conheceu sua futura esposa, Sarah Elmy, que aceitou sua proposta e teve a fé e a paciência não apenas de esperar por Crabbe, mas de encorajar sua escrita de versos.

Em 1772 Crabbe teve seu primeiro sucesso literário; seu poema sobre a esperança ganhou um prêmio oferecido por Wheble’s Lady’s Magazine. Dois anos depois foi publicado seu “Inebriety”. Durante os anos seguintes ele completou seu aprendizado, estudou parteira em Londres e tentou praticar em Aldeburgh. Então, em abril de 1780, Crabbe tomou emprestado £5 e partiu para Londres para tentar sua fortuna literária. Um poema, “O Candidato”, foi aceito, mas a falência da editora privou Crabbe de qualquer lucro possível. Em março de 1781 ele apelou em desespero a Edmund Burke, que reconheceu os méritos do homem e seus poemas.

Com a ajuda de Burke, Crabbe publicou três longos poemas: A Biblioteca (1781), A Vila (1782), e O Jornal (1785). The Village foi muito o melhor, o primeiro exemplo do talento especial de Crabbe para contar com verdade literal e convincente as histórias muitas vezes sórdidas do povo rural e da aldeia. Em 1781 Crabbe recebeu ordens, e no ano seguinte tornou-se o capelão do Duque de Rutland.

Em dezembro de 1783, Crabbe pôde finalmente se casar. Embora o duque tenha morrido em 1787, a vida de Crabbe continuou marcada por uma feliz domesticidade e um progresso moderado como clérigo. Um segundo período de publicação, com muito críticas e algum sucesso popular, produziu The Parish Register (1807), The Borough (1810), e Tales in Verse (1812), tudo na veia de The Village. Em 1813 sua esposa morreu, e em 1814 Crabbe mudou-se para sua última casa e paróquia, em Trowbridge, Wiltshire. Contos do Salão, seu último volume de poemas, foi publicado em 1817. Crabbe morreu em 3 de fevereiro de 1832, em Trowbridge.

Leitura adicional sobre George Crabbe

A primeira e mais completa vida de Crabbe é de seu filho, George Crabbe, Jr., A Vida do Rev. George Crabbe, LLB (1834). A melhor bibliografia está na tradução de Frederick Clark de RenéL. Huchon, George Crabbe and His Times (1907). Outros estudos críticos são os de Robert L. Chamberlain, George Crabbe (1965), destinados aos leitores gerais, e Oliver F. Sigworth, Nature’s Sternest Painter: Five Essays on the Poetry of George Crabbe (1965), destinado a especialistas. Uma boa e breve biografia crítica é Thomas E. Kebbel, Life of George Crabbe (1888), na série “Great Writers”.

Fontes Biográficas Adicionais

Bareham, Tony, Uma bibliografia de George Crabbe, Folkestone, Eng: Dawson; Hamden, Conn.: Archon Books, 1978.

Crabbe, George, Diários e cartas selecionadas de George Crabbe, Oxford: Clarendon Press; Nova Iorque: Oxford University Press, 1985.


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!