Fatos sobre Emilio Aguinaldo


b> O líder revolucionário filipino Emilio Aguinaldo (1869-1964) lutou pela independência das Ilhas Filipinas, primeiro contra a Espanha e depois contra os Estados Unidos.<

Nascido em 23 de março de 1869, Emilio Aguinaldo cresceu em Kawit na província de Cavite e foi educado em Manila. Nomeado para uma posição municipal em sua província natal, ele também foi o líder local de uma sociedade revolucionária que lutava contra o domínio espanhol sobre as Filipinas. Por um acordo assinado com líderes rebeldes em janeiro de 1898, a Espanha concordou em instituir reformas liberais e pagar uma grande indenização; os rebeldes então foram para o exílio.

Quando a guerra eclodiu entre a Espanha e os Estados Unidos em abril de 1898, Aguinaldo fez acordos com os cônsules americanos em Hong Kong e Cingapura e com o Comodoro George Dewey para voltar do exílio para lutar contra a Espanha. Em 12 de junho Aguinaldo proclamou a independência das Ilhas Filipinas da Espanha, hasteou a bandeira nacional, introduziu um hino nacional e ordenou uma leitura pública da declaração de independência.

Ao perceber que os Estados Unidos não aceitariam a independência imediata e completa das Filipinas, ele organizou uma revolução contra o domínio americano que resultou em 3 anos de guerra sangrenta de guerrilha. Ele foi capturado em 23 de março de 1901, pelo general Frederick Funston. Funston e vários outros oficiais, amarrados de mãos e pés, fingiram ser prisioneiros e foram levados ao campo de Aguinaldo por filipinos leais aos Estados Unidos. Libertados e armados, capturaram facilmente Aguinaldo, que então fez um juramento de lealdade aos Estados Unidos e emitiu uma proclamação de paz em 19 de abril. A amargura causada pela guerra logo se transformou em amizade quando americanos e filipinos se uniram para trabalhar em prol da independência das Filipinas. Aguinaldo aposentou-se para a vida privada, e seu filho entrou em West Point na mesma classe que o filho do general Funston.

Em 1935 Aguinaldo concorreu sem sucesso para presidente da Commonwealth das Filipinas contra Manuel Quezon. Após a invasão japonesa das Filipinas em 1941, ele cooperou com os novos governantes, fazendo até mesmo um apelo de rádio para a rendição das forças americanas e filipinas em Bataan. Ele foi preso como colaborador depois que os americanos retornaram, mas mais tarde foi libertado em uma anistia geral. Ele explicou sua ação dizendo: “Eu estava apenas me lembrando da luta que liderei”. Nós também estávamos em desvantagem numérica, em constante retirada. Vi meus próprios soldados morrerem sem afetar os acontecimentos futuros”. Para mim isso parecia ser o que estava acontecendo em Bataan, e pareceu-me uma coisa boa para parar”

Em 1950 ele foi nomeado para o Conselho de Estado, um órgão consultivo para o presidente, e em seus últimos anos ele foi presidente de um conselho que distribuía pensões aos demais veteranos da revolução. Ele morreu em Manila em 6 de fevereiro de 1964.

Leitura adicional sobre Emilio Aguinaldo

Aguinaldo conta sua própria história em A Second Look at America (1957). O trabalho inicial notável em assuntos filipinos é W. Cameron Forbes, The Philippine Islands (2 vols., 1928; rev. ed. 1945). Leon Wolff é mais solidário com os rebeldes filipinos em Little Brown Brother: Como os Estados Unidos compraram e pacificaram as ilhas filipinas na virada do século (1961). Um relato mais acadêmico é Garel A. Grunder e William E. Livezey, As Filipinas e os Estados Unidos (1951).

Fontes Biográficas Adicionais

Turot, Henri, Emilio Aguinaldo, primeiro presidente filipino, 1898-1901, Manila, Filipinas: Foreign Service Institute, 1981.


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!