Fatos sobre a Alvise da Cadamosto


Alvise da Cadamosto (ca. 1428-1483) foi um comerciante e viajante italiano de Veneza que descobriu as ilhas de Cabo Verde e descreveu as Ilhas Canárias e a área Senegal-Gâmbia-Geba.<

Avisita da Cadamosto navegou a bordo das galés venezianas para o Norte da África, Creta, Alexandria e Flandres, entre 1445 e 1452. Ele retornou a Veneza em 1454 e encontrou seu pai exilado e sua família em dificuldades. Devido ao conhecimento da Cadamosto sobre o comércio de especiarias, o Príncipe Henrique o Navegador lhe ofereceu uma caravela portuguesa para uma empresa comercial ao longo das costas da África Ocidental, com o direito de guardar metade dos produtos com os quais ele retornou.

Cadamosto, em uma caravela moderna de cerca de 70 toneladas, partiu para Lagos em março de 1455. Ele parou nas ilhas da Madeira e das Canárias, depois viajou ao longo da costa africana. Em seus relatórios ele observou que o rio Senegal dividiu a região árida do Saara das áreas de floresta fértil para o sul. Além do Senegal, a Cadamosto encontrou duas caravelas, uma sob o comando do Usodimare genovês, e os três navios seguiram além de Cabo Verde até a foz do rio Gâmbia. No estuário da Gâmbia, Cadamosto desenhou o Cruzeiro do Sul e indicou a altura da Estrela do Norte como uma fração do comprimento de uma lança acima do horizonte; esta notação sugere que os navegadores ainda não estavam medindo a latitude em graus.

.

Em 1456 Cadamosto e Usodimare, sob licença do príncipe Henry, equiparam duas caravelas que, com uma terceira fornecida por Henry, partiram para a Gâmbia. Além de Capo Bianco os navios encontraram uma tempestade, e Cadamosto, governando o mais próximo possível do vento, dirigiu-se em direção ao mar. Fora de Cabo Verde apareceu uma ilha que ele chamou de Boa Vista. Um grupo de banhistas observou uma ilha ao norte (Sal) e duas ao sul (Maio e Sāo Tiago), e Cadamosto visitou esta última. Outras ilhas do arquipélago foram observadas no oeste.

Cadamosto navegou 60 milhas pela Gâmbia e negociou com um líder amigável até que a febre forçou os navios a saírem do rio. Ele nomeou e rastreou várias cabeceiras e rios até o Rio Grande (Geba), que talvez já tivesse sido alcançado por Diogo Gomes; mas ele foi o primeiro a descrever o arquipélago de Bissagos.

A história do Cadamosto, publicada pela primeira vez em 1507, forneceu informações valiosas sobre as rotas das caravanas do interior, de Mali via Ouadane ao Marrocos, de Mali via Timbuktu ao Gao ao leste, e de Timbuktu via Taghaza ao Marrocos e à Tunísia, e também descreveu o comércio, especialmente de ouro e sal. G. R. Crone (1937) comentou que o de Cadamosto “é o primeiro relato original sobrevivente de uma viagem às regiões abertas pela empresa européia no início da moderna expansão ultramarina, e reflete o espírito de abertura de espírito característico da nova era”

.

Mais leituras sobre Alvise da Cadamosto

The European beginnings in West Africa, 1454-1578 (1937); Boies Penrose, Travels and Discoveries in the Renaissance, 1420-1620 (1952); Charles E. Nowell, The Great Discoveries and Early Colonial Empires (1954); e J. H. Parry, The Age of Reconnaissance (1963).


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!