Fatos Pré-Maio


O romancista indiano e escritor de contos Premchand (1880-1936) foi o primeiro grande romancista em Hindi e Urdu. Seus escritos descrevem em detalhes realistas as lutas políticas e sociais na Índia do início do século 20.<

Premchand, cujo verdadeiro nome era Dhanpatrai Srivastava, nasceu na pequena aldeia de Lamhi, a poucos quilômetros de Benares. Seus antepassados imediatos eram contabilistas da aldeia de Lamhi. Seu conhecimento íntimo da vida na aldeia começou aqui e continuou quando, como professor e inspetor de subdeputados das escolas, ele viajou extensivamente por 21 anos pelo estado de Uttar Pradesh.

As primeiras escritas de Premchand foram todas feitas em Urdu, mas a partir de 1915 ele descobriu que escrever Hindi era mais lucrativo. Hindi, usando o roteiro baseado em sânscrito e pedindo emprestado em grande parte do vocabulário sânscrito, foi fortemente promovido pelo grupo de reforma hindu chamado Arya Samaj, e dentro de alguns anos as publicações hindi ultrapassaram numericamente as escritas em Urdu.

Os primeiros trabalhos de Premchand em Urdu revelam a forte influência da literatura persa, particularmente nos contos. Estas eram geralmente histórias de amor românticas, nas quais, não sendo o curso do amor suave, vários dispositivos incomuns são usados para reunir novamente os amantes. Nessas histórias românticas e romances, porém, também aparecem evidências de fervor patriótico e descrições de heróis indianos e estrangeiros que morreram corajosamente por seus países. A primeira coleção de contos de Premchand, Soz-e-Vatan, o trouxe à atenção do governo. O colecionador britânico do Distrito de Hamirpur chamou-os de sediciosos e ordenou que todas as cópias fossem queimadas e que o autor enviasse futuros escritos para inspeção. Felizmente, algumas cópias sobreviveram, e Premchand, a fim de escapar da censura, mudou seu nome de Dhanpatrai para Premchand.

Em 1920 Premchand demitiu-se de uma escola secundária do governo e tornou-se um defensor ferrenho de Mohandas Gandhi, cuja influência marcou fortemente o trabalho de Premchand de 1920 a 1932. Com cenários e eventos realistas, Premchand conseguiu finais idealistas para suas histórias. Seus personagens mudam de pró-britânico para pró-índio ou de senhorio vilão para servo social parecido com Gandhi no meio do caminho; as freqüentes conversões tendem a tornar as histórias repetitivas e os personagens interessantes apenas até o ponto de conversão.

O último e maior romance de Premchand, Godan, e sua história mais famosa, Kafan (O Sudário), ambos lidam com a vida da aldeia. Entretanto, qualquer que seja o cenário, seu trabalho tardio mostra uma nova mestria. Os personagens parecem ter tomado conta de seu próprio mundo. As reivindicações de princípios sociais, morais e políticos são secundárias às reivindicações da arte. Premchand morreu de uma úlcera gástrica. Um filho, Amrtrai, era um conhecido escritor hindi, e o outro, Sripatrai, um pintor talentoso.

Leitura adicional sobre Premchand

O romance de Premchand Godan foi traduzido por Gordon C. Roadarmel como Gift of a Cow (1968). The World of Premchand, traduzido por David Rubin (1969), reúne algumas das histórias. Um estudo crítico dos contos que inclui uma introdução biográfica é Robert O. Swan, Munshi Premchand de Lamhi Village (1969).


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!