Ennin Fatos


Ennin (794-864) foi um monge japonês que fundou a filial Sammon da seita Tendai. Ele estudou o budismo esotérico na China T’ang.<

O nome de família de Ennin era Mibu, e ele nasceu no distrito de Tsuga da Província de Shimotsuke (moderna Prefeitura de Tochigi). Tornando-se discípulo de Saicho, o fundador da seita Tendai no Japão, Ennin levou uma vida bastante incolor como monge e professor no Enryakuji (outro nome para este templo era Sammon). Ele foi enviado à China para estudar em 838. Seu Nyuto Gubo Junreiki (Registro da Peregrinação à China em Busca da Sagrada Lei) está cheio de detalhes fascinantes de suas aventuras, desde o momento em que navegou do Japão até seu retorno em 847.

No início não foi possível obter a autorização chinesa necessária para visitar qualquer dos dois centros budistas mais importantes da China no Monte Wu-t’ai e no Monte T’ien-t’ai, Ennin conseguiu mais tarde obter a ajuda de um general influente para alcançar o Monte Wu-t’ai e outros locais sagrados. Ennin retornou ao Japão após extensos estudos com os mestres de cada uma das disciplinas do Tendai.

Apo seu retorno ao Monte Hiei, o Imperador conferiu a Ennin o posto de daihosshi (grande monge). Ennin então organizou o estudo dos dois Mandalas, iniciou o batismo Esotérico, e promoveu outros ramos do aprendizado Esotérico. Ele ensinou a invocação do nome de Buda (nembutsu), que ele tinha ouvido no Monte Wu-t’ai e que se tornaria em algumas das seitas populares um meio totalmente suficiente para obter a salvação, embora para Ennin parecesse ser de menor importância do que o aprendizado Esotérico.

Ennin ficou no Monte Hiei como zasu (abade principal) por mais de 20 anos, e durante seu ministério ele fundou o mosteiro chamado Onjoji (mais conhecido como Miidera) aos pés do Monte Hiei, na margem do Lago Biwa. Uma medida do sucesso de Ennin é o fato de que a outorga pela corte em 866 do título póstumo de Jikaku Daishi sobre ele e a de Dengyo Daishi sobre seu mestre Saicho marca o início do costume de títulos póstumos no Japão.

Leitura adicional em Ennin

Há uma breve discussão do diário de Ennin descrevendo os perigos de sua viagem a T’ang China e a introdução dos cultos Esotéricos ao Japão em Edwin O. Reischauer e John K. Fairbank, East Asia: A Grande Tradição (1960). Uma discussão convincente sobre a propagação do budismo esotérico no Japão está em Ryusaku Tsunoda e outros, Fontes da tradição japonesa (1958). Para uma breve discussão sobre o papel de Ennin no desenvolvimento da Sociedade Heian veja George B. Sansom, A History of Japan (3 vols., 1958-1963).


GOSTOU? PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS!